Pesquise!

Carregando...

Seguidores

Facebook

Tecnologia do Blogger.

Link-me

O Blogueiro

Visitas.

29/05/2013


72 horas para morrer
Autor: Ricardo Ragazzo
Editora: Novo Século
Páginas: 256
Classificação: *****
Sinopse: 
Pior do que conhecer um Serial Killer, é um Serial Killer conhecer você!
 “O Carro pertence à sua namorada.”
Com essas palavras, Júlio Fontana, delegado da pacata cidade de Novo Salto, tem a vida transformada em um inferno. Pessoas próximas começam a ser brutalmente assassinadas, como parte de uma fria e sórdida vingança contra ele. Agora, Júlio terá que descobrir a identidade do responsável por esses crimes bárbaros, antes que sua única filha se torne o próximo nome riscado da lista. 72 Horas para Morrer é uma corrida frenética contra o tempo, que prenderá o leitor do início ao fim.

     Inicialmente devo dizer que se você não tem estômago para sangue, assassinatos grotescos, violência, tortura e coisas desse tipo, não leia esse livro.
     O título me atrai logo de cara, por quê? Bom, 72 horas para morrer, o título indica que a narrativa será rápida, sem perder tempo em enrolar o leitor e é exatamente o que acontece, cada palavra é posta com um sentido, todos os mistérios do livro são explicados com veracidade, algumas coisas no começo são bem confusas, mas no fim entendemos tudo, o autor, Ricardo Ragazzo, conta um pouco aqui, planta a curiosidade, para desvendar o segredo em outro momento.
    A história gira em torno de Júlio Fontana, delegado da cidade fictícia de Novo Salto. O delegado Fontana é um anti-herói. Ele usa métodos nada ortodoxos para tentar descobrir a verdade. É um cara mau, eu penso nele como um cherife do Texas, brutamontes, muitas vezes impulsivo, mas ele luta pelo seu ideal, luta pela vida da sua filha. Em alguns momentos o delegado também nos apresenta um lado  emocional, família. É o meu personagem preferido de todo o livro.
   Como a sinopse diz, tudo começa quando o carro da namorada de Júlio, Agatha, é encontrado abandonado em um posto de gasolina, no carro Júlio encontra um pendrive com conteúdo desagradável: Agatha amarrada a uma cadeira, sequestrada. Alguém busca por vingança contra o delegado e as pessoas ao seu redor começam a ser brutalmente assassinadas e ele tem que impedir que sua filha Laura entre para a lista.
    Deixem-me falar de Laura: É uma menina bem chata, sério, a convivência com o pai é difícil devido à morte da mãe em um acidente. Contudo, o que mais me irritou nela foi sua personalidade influenciável, em alguns momentos ela até se mostra firme como o pai. Um pequeno spoiler, me permitam isso, em um rodeio a garota se apaixona perdidamente apenas com uma troca de olhares por um homem muito mais velho e o pior um velho inimigo de seu pai. O nome dele é Miguel e acabou de sair da cadeia, ele viveu quase trinta anos trancafiado na prisão por ter cometido um crime que tem alguma relação com Júlio, é um dos mistérios iniciais do thriller.
      Também somos apresentados nas páginas iniciai ao padre Paulo, ao policial Jaime, aos irmãos Teotônio e Getúlio Fonseca, todos são peças importantes neste intricado quebra-cabeça macabro.
      O livro é dividido em dias 4, 5, 6 e 7 de outubro e narrado por Júlio Fontana (1ª pessoa) e em 3ª pessoa, algo difícil, penso eu, de ser feito. Eu me perguntava ao final de cada dia se o autor teria ainda mais cartas na manga, a resposta veio logo, pois, o clichê “o livro irá prender o leitor até o fim” se faz real, eu devorei esse livro.
  As últimas peças são assustadoras. Com um toque sobrenatural o enredo se encaminha para o fim.


Onde comprar: 


Adicione o livro no skoob:








Por fim, gostaria de agradecer ao Ricardo pela parceria, pela disposição e por me oferecer uma leitura tão boa quanto qualquer livro dos figurões internacionais da literatura de suspense. 
Obrigado.











Abrazzo,
Rogério Queiroz.


26/05/2013
Oi,oi,oi!!! 
(vem balançar com tudo, vamos dançar com tudo)

Sim, uma nova parceria, sério, não é brincadeira.
Dessa vez é uma parceria muito especial, pois, a autora é muito jovem, a ponto de inspirar-me a começar a escrever também. (porque não?!) 




L.E.Haubert é a assinatura de Laura Elizia Haubert, nascida em Getúlio Vargas, Rio Grande do Sul, em 28 de julho de 1996. Mudou-se para a cidade de Rondonópolis, Mato Grosso, com apenas 3 anos de idade, onde reside atualmente com os pais e Lancelot, seu cachorro. Já participou das antologias de contos Tratado Secreto de Magia II, Elas Escrevem Volume II, Dias Contados II, Anno Domini II, Entrelinhas Volume II e Fantasiando. É regida pelo signo de leão e cinéfila assumida. É formada em francês e toca piano clássico. Publicou pela Editora Novo Século sob o selo Novos Talentos da Literatura Brasileira as obras: Calisto e Sohuem.





Agora vamos às sinopses dos livros:


Sinopse - Calisto - Trilogia da Meia-Noite 1 - L.E.Haubert


Quando a noite cair, as brumas elevarem-se, a lua estiver banhada em sangue e as insígnias despertarem não restará opção se não lutar. Você não pode fugir de quem é do seu destino ou os demônios encontrados, e não poderá desistir porque terá sempre alguém a espreita. As cinco insígnias juntas são invencíveis, separadas devastadoras. Resista, combata, enfrente, acima de tudo conheça a si mesmo para descobrir se você está pronto para desvendar os mistérios. Draco, Lucas e Kalí possuem cristais, possuem força e não desistirão até Arrarock estar salva novamente. O preço mais caro sempre é pago pelos heróis. Acompanhe-os nesta jornada.



Sinopse - Sohuem - A Trilogia da Meia-Noite II - L.E.Haubert

Desta vez os heróis não estão sozinhos. Os deuses despertaram ávidos para intervir na rebelião de seu mundo. Os cristais, frágeis, e a loucura começam a bailar pelo ar, os embates se elevam. Volker está fortalecido. Um inimigo, mais antigo que os carvalhos de Fairland, acorda pronto para desintregar a ordem. Perseverar é essencial, porém, respirar dói, e eles sabem disso. São testados, torturados e enfeitiçados o tempo todo. Como lutar contra o que não se consegue ver? Com os nervos à flor da pele, o intimo transparecerá, novas companhias surgirão ao passo que outras padecerão. Venha desvendar os lugares por onde Kalí, Draco e Lucas andam. Conheça os novos portadores e descubra as chaves para a redenção. Cuidado, nada é o que parece ser, principalmente nos tempos soturnos de Arrarock.


Para mais informações sobre os livros e a autora você pode clicar nos links abaixo:


Olhem o que chegou para mim. São lindos, né?!


Logo, logo estarei postando as resenhas, ok. ;)


Abraços,
Rogério Queiroz.



24/05/2013
Oi,oi!!!

É com muita alegria que eu anuncio mais uma parceria com o autor do livro "72 horas para morrer", Ricardo Ragazzo e dessa vez tem um complemento, algo novo e bem divertido, um BookTuor.










Ricardo Ragazzo é bacharel em Direito, blogueiro, escritor e jogador de RPG. Aos 35 anos de idade mora em São Paulo com sua esposa, filho e beagle. 72 Horas para Morrer é seu primeiro thriller.










Sinopse


Pior do que conhecer um Serial Killer, é um Serial Killer conhecer você!
 “O Carro pertence à sua namorada.”
Com essas palavras, Júlio Fontana, delegado da pacata cidade de Novo Salto, tem a vida transformada em um inferno. Pessoas próximas começam a ser brutalmente assassinadas, como parte de uma fria e sórdida vingança contra ele. Agora, Júlio terá que descobrir a identidade do responsável por esses crimes bárbaros, antes que sua única filha se torne o próximo nome riscado da lista. 72 Horas para Morrer é uma corrida frenética contra o tempo, que prenderá o leitor do início ao fim.





BookTuor: 72 horas para morrer.

O que é o BookTuor? 

Consiste basicamente em um livro viajante, no caso, o livro é "72 horas para morrer" do Ricardo Ragazzo. O livro passará pelas mãos - e olhos - de seis(06) blogueiros de vários estados brasileiros.

Eu sou o Organizador do BT e, sendo assim, tive que contactar os 6 blogueiros, amigos, que aceitaram entrar no jogo

Algumas regras:

* Cada blog terá até 10 dias para ler e resenhar o livro. A publicação deve ser fiscalizada pelo organizador que avisará ao autor a cada nova resenha publicada.

* Após ter lido e resenhado o livro, o blogueiro terá que enviar para o próximo blogueiro.

* Ao término do BT o exemplar será sorteado - pelo organizador - entre os participantes. 

Blogs participantes na ordem que receberão o exemplar:

1. Um simples prazer - Suellen Moreira - CE
2. Café com Leituras -Neriana - CE
3. Gota d'Explosão -Fabíola Karina – MA
4. Clube do Livro de Pernambuco - Raissa Morais – PE
5. Momento Literário - Jonathan Freitas - RJ
6. Encantos Paralelos -Víctor Rosa - BA


"Que comecem os jogos..."


Abrazzo,
Rogério Queiroz.





23/05/2013
Olá, amigos! ^__^

Depois de esperar tanto tempo por uma nova aventura - o último livro do autor, O Símbolo Perdido, foi publicado em 2009 - estou lendo "Inferno" novo lançamento de DAN BROWN!!!

   Bom, ainda não comprei o livro físico mas me satisfaço, por enquanto, com e-book. Estou fazendo um pouco de esforço para ler, pois, tenho dificuldade em ler no notebook, contudo, é um Dan Brown, né, tenho motivação de sobra... 
   Li algumas pessoas criticando o livro por seguir a mesma fórmula dos outros, sinceramente, não acho isso negativo, por que o o autor mudaria algo totalmente bem sucedido?
   Até o momento estou na página 76, o e-book possui 375 páginas, enquanto que o livro físico é composto por 448 páginas. Os mistérios estão todos ocultos, devo dizer que são muitos, há muita coisa sem explicação até o momento e, algo me diz, todos os segredos se revelam nas paginas seguintes. 

Até mais,
Rogério Queiroz.

21/05/2013



Jogando por Pizza
Autor: Jonh Grisham
Editora: Rocco
Páginas: 292
Classificação: ***

            Bom, esse livro tem como tema central o futebol americano e eu - sendo o bom brasileiro que sou - não entendo nada de futebol tradicional quanto mais americano. (kkkk)
            Nas primeiras páginas descobrimos que Rick Dochery está internado em um hospital após um acidente em campo, devo assumir total falta de compreensão na leitura dos trechos do acidente, pois bem, Rick sofreu uma concussão, a terceira de sua carreira desastrosa na liga americana de futebol.
            Devido sua péssima participação no jogo os torcedores do Brown queriam sua cabeça, sim, eles tentam até mesmo invadir o hospital para arrancá-la.

            “Rick causara a derrota do time, perdendo um jogo que já estava praticamente ganho.”


            A carreira dele como reserva do reserva do quaterback (é uma espécie de cabeça do time, o estrategista) no futebol americano estava acabada. Rick tinha 28 anos. Nenhum time lhe queria, sua carreira estava categoricamente encerrada.

            “Portanto, é evidente que Rick Dockery é incontestavelmente o Maior Mico na história dos esportes profissionais.”


            A última carta na manga de seu empresário, Arnie, é telefonar para os times, tentar negociar um contrato, mas não há interesse. Em seu último telefonema para Sam Russo, treinador de um time de futebol americano na Itália, que se mostra até ansioso em ter Rick na sua equipe.
           Contudo, Rick estaria disposto a jogar em um país onde o esporte era tão impopular, ganhando um péssimo salário?
           O time é o Parma Panthers do Norte da Itália, fica a cerca de uma hora de distância de Milão. A ideia não lhe é atraente mas existem muitas motivações para Rick deixar seu país. Ele precisava fugir dos EUA ou entraria em grandes confusões.
            Não posso contar mais, na verdade contarei mais um pouco. Na Itália todos comem muito bem, dá até fome. Queijo parmesão. Presciunto. Massas. Carnes. Vinhos (não gosto, mas...).
            Um livro leve, rápido, fluido e até para pessoas iguais a mim (sem nenhuma aptidão para os esportes) o livro consegue ser atraente. Nos faz torcer constantemente pelos Panthers. Vai, Panthers!!!

P.S. Referente ao título, Jogando por Pizza, o significado é: na Itália os atletas jogam por amor e pela rodada de cerveja e pizza após o jogo.


Abraços,
Rogério Queiroz.


18/05/2013

Olá, amigos!!!
Hoje trago pra vocês mais uma entrevista.
Quem me indicou a autora foi um amigo leitor de Pernambuco. Ele elogiou-a bastante. Luiza Trigo escreve para um público jovem, seu primeiro livro chama-se Carnaval.




Luiza Trigo (podem chamá-la de Luly) tem 24 anos, nasceu e mora no Rio de Janeiro, é a autora do livro Carnaval. 


Sinopse - Carnaval - Luiza Trigo
Gabi decide passar o carnaval com as primas no Recife: praias, música, amigos, sol, diversão... A receita ideal para Gabriela curar a dor de cotovelo depois de ver o ex-namorado beijando uma garota. Para falar a verdade, ela nem gostava mais dele, e era capaz de enumerar seus defeitos sem pestanejar; mas vê-lo assim aos beijos mexeu com o coração da menina. Decidida a esquecer o ex de uma vez, Gabi faz as malas e deixa o Rio para uma semana de muita curtição no Nordeste. Ela só não contava com a possibilidade de se apaixonar de verdade em pleno Carnaval! Carnaval conta a história de Gabi, Felipe, Pedro, Juju e Bel, e de um Carnaval inesquecível emoldurado pelas belezas de Pernambuco. Em meio a festas animadas, shows, esticadas até Porto de Galinhas e deliciosos mergulhos e banhos de piscina, Gabi acaba se envolvendo com Pedro, um garoto superfofo e gente boa. Mas quem vai mexer de verdade com o coração da menina é Felipe, pena que ele não esteja solteiro... Apesar das confusões à vista, a química entre Gabi e Felipe é mais forte, e os dois vivem um intenso amor de carnaval. Mas será que esse amor tem chances de sobreviver ao tempo e à distância, quando a quarta-feira de cinzas chegar, e com ela os últimos dias da viagem de Gabi? Carnaval é um romance juvenil com o qual qualquer adolescente vai se identificar.



A ENTREVISTA



Uma dose de palavras: Qual foi a sensação de colocar o último ponto final no seu primeiro livro? E quando o livro foi publicado como você se sentiu?

Foi uma mistura de emoções. Fiquei feliz e satisfeita por ter conseguido, mas fiquei triste porque estava vivendo aquela história com a minha personagem. Eu chorei e tudo. (Risos) E quando o primeiro livro chegou para mim foi um dos dias mais felizes da minha vida. Chorei horrores também. (Eu choro muito, tá?) Senti aquela sensação de sonho realizado. Foi mágico.

Uma dose de palavras: Quantos livros você tem publicados?

Por enquanto só “Carnaval”, mas já escrevi alguns outros.

Uma dose de palavras: O seu livro é uma estória fictícia mas sabe-se que as experiências vividas por você influenciam a escrita. Você poderia revelar algum acontecimento vivido que foi acrescentado ao livro?

Só um, hein?! (Risos) A cena em que a Gabi e o Felipe estão no ônibus voltando de Porto de Galinhas e estão loucos para se beijar, mas a consciência da Gabi não deixa, porque ela está ficando com o amigo dele. Eu já estive na mesma situação. É terrível.

Uma dose de palavras: Quais seu autores preferidos? O seu gosto literário influenciou na sua escrita?

Jane Austen, J.K. Rowling, Martha Medeiros, Mario Quintana... Mas a preferida mesmo é a Jane Austen e acho que influenciou bastante. Não que eu escreva como ela, mas ela é super romântica e delicada e acho que carrego um pouco disso em mim. 

Uma dose de palavras: Foi difícil o processo criativo? Em que momentos a sua produção literária era mais intensa? Qual foi/é a sua maior motivação para escrever?

Com “Carnaval”, eu digo que baixou um santo. Escrevi a história super rápido e de uma só vez. Não senti dificuldade, nem nada. Foi como se estivessem escrevendo por mim. (Risos) Acho que os momentos intensos vinham porque eu estava vivendo tudo aquilo, então eu sofria junto com a personagem. Acho que o mais intenso de todos foi o final, não só pelo que acontece com a personagem, mas também porque eu estava dizendo tchau a ela.

Uma dose de palavras: Como foram as críticas em relação ao seu trabalho? Recebeu alguma crítica negativa, se sim, como lidou com isso?

Estão sendo muito positivas e eu adoro saber o que estão achando. Recebi uma única negativa, mas levei na boa. Acho que a menina que leu não entendeu para que faixa-etária ele foi escrito e resolveu criticá-lo para o público diferente.

Uma dose de palavras: Houve aquele momento específico em que você decidiu que escreveria livros, criaria estórias?

Foi depois de escrever “Carnaval”, quando comecei a receber as críticas vi que levava jeito. Ainda estou me descobrindo escritora e acho que a vida me pôs nesse caminho, não foi uma rota traçada inicialmente por mim.

Uma dose de palavras: De uma forma geral do que tratam os seus livros? Qual o seu gênero literário?

São romances juvenis. Sempre tratam de relacionamento entre amigas(os), paquera, namorado, família...

Uma dose de palavras: Qual foi a maior dificuldade enfrentada por você como escritor(a)? Em algum momento pensou em desistir?  

A espera. Ela é sempre a pior de todas. A espera pela aprovação, a espera pela edição, a espera pelo lançamento, a espera pela bienal. (Risos). Tenho que esperar muito.

Uma dose de palavras: Por fim, gostaria de agradecer imensamente a disposição em responder à entrevista e quero desejar muito sucesso, muita criatividades, muitos outros livros publicados. Muito obrigado!

Eu também tenho que agradecer, né?! Obrigada pelo carinho, pela atenção e sucesso no seu blog! Beijo aos leitores do Blog “Uma dose de palavras”!

Um forte abraço,
Rogério Queiroz.



Oi, encontrarei alguém por aqui na madrugada? (Acho que não)

AGORA UM POEMA:


Não vá embora.

Não vá embora.
Não estarei aqui quando voltar.
Valorize-me agora.
Eu te peço não me deixe tão só.
Dessa vez os pedaços ficarão no chão
Não desatarei mais nenhum nó.
Não conseguirei remontar o resto
Do que sobrou de mim...
Do que restou de nós.
Minhas lágrimas não te convencem
Apenas me afogam nessa confusão
Que me tornei.
Dormir já não consigo
E parar de pensar eu já não sei.

Rogério Queiroz.

P.S. Um pouco de transpiração e imaginação...

Abraços!!!
16/05/2013
Olá, leitores!!!

É com muita satisfação e orgulho que anuncio mais uma parceria (UUUHU!!!) com a autora do livro Cisne, Eleonor Hertzog(Quem consegue ler o nome?).
Mais uma autora que me tratou muito bem, elogiou-me por "escrever bem" (Gostei dela...), foi muito simpática!!! 


Conheçam um pouco sobre a autora:


"Olá, pessoal.
Meu nome é Eleonor Hertzog e sou gaúcha de Porto Alegre. Pediatra por formação, sou escritora de coração. Leio desde que descobri o que eram livros; não vou dizer que escrevo desde a mesma época porque eu era realmente muito pequena. Mas, desde o primeiro livro, descobri que adorava contar histórias. No começo eram as dos livros. Mais tarde, as dos livros com alguns acréscimos. E, na adolescência, começaram a pipocar personagens, lugares e situações que não vinham de livro nenhum – estavam dentro de mim. Eu cresci, meus personagens se tornaram mais complexos. Eu aprendi, eles passaram a ver o mundo de outra forma. Tive filhos, eles souberam como ser pais e mães convincentes. O enredo se tornou mais bonito e complexo e, de repente, descobri que não tinha apenas uma história dentro de mim. Tinha mundos inteiros!
Durante anos, família e alguns amigos muito próximos (meus únicos leitores até agora) me questionaram a respeito de quando eu iria finalmente considerar o livro pronto. Bom, está pronto agora. Orgulhosamente pronto!
Entrego nas mãos de vocês meus personagens, meu enredo, meus mundos. Espero que tenham tanto prazer lendo quanto eu tive escrevendo!"




Sinopse:

Ninguém sabe exatamente quais são os critérios de seleção da Escola Avançada de Champ-Bleux, mas não há como discutir sua eficácia. Seus exames de ingresso não erram nunca! Entre milhares de candidatos de todos os pontos da Terra, apenas duzentos e cinquenta são escolhidos a cada semestre. E, num mundo onde ser cientista é o maior status que alguém pode desejar, a Escola Avançada de Champ-Bleux forma aqueles que são disputados a peso de ouro.
Doris e Henry Melbourne são cientistas formados por Champ-Bleux. Aparentemente, são biólogos marinhos. Aparentemente, suas vidas se centram no Cisne, barco de pesquisas onde moram com os filhos. E, também aparentemente, são terráqueos...
Seus filhos acreditam em todas essas aparências – ao menos por enquanto. Seguindo os passos dos pais, os jovens Melbourne fizeram os exames de ingresso para Champ-Bleux. Enquanto, cheios de expectativa, aguardam os resultados para saber se ao menos um deles entrou na Escola Avançada, veem-se envolvidos numa questão diplomática entre Terra e Tarilian, o único outro mundo habitado que os terráqueos conhecem. Inesperadamente, o futuro das relações entre os dois mundos vai ser decidido em um barco no meio do oceano!
Mal sabem eles que isso é apenas o começo... Logo precisarão decidir pela Terra inteira! 


Ficou curioso e quer ler o primeiro capítulo? Clique AQUI .
Quer ter mais informações e adicionar o livro a seu Skoob? Clique AQUI .
Assista também ao Book trailer no YouTube, ah, já sabe, né... Clique  AQUI .
Curta a Fan Page no Facebook .


Logo mais estarei trazendo a Resenha do livro pra vocês, só informando que são  832 páginas, isso mesmo (UaUUU!!!), tenho boas expectativas em relação ao livro. ^^



Um forte abraço,
Rogério Queiroz.





Vou responder agora a minha primeira TAG!!!
Quem me indicou foi a Alusca do Blog Sea of Books .

Vamos às regras da TAG: Você deve escolher cinco letras aleatórias e mandar uma sequência diferente para cada blog que você indicar, o blog que receber a TAG deve escolher cinco livros que comecem com as letras que foram indicadas (os artigos não contam! Então se o nome do livro for "O trio" a letra considerada será T), o número de blogs indicados depende de cada um, na ausência da letra indicada o espaço fica em aberto mas na ausência de todas elas, o blog pode fazer sua própria lista.


As letras escolhidas para mim foram: A C K J L.


A: Bom, escolhi Anjos e Demônios porque eu adoro esse livro foi um dos primeiros livros lidos por mim e é o meu preferido do Dan Brown. Recentemente fiz a resenha do livro e você pode encontrá-la clicando AQUI .

C: Harlan Coben é um dos meu autores preferidos e ele não se repete, a cada livro uma nova surpresa. Em Cilada, como o nome já diz, alguns personagens caem em Ciladas envolvendo pedofilia, sequestros e assassinatos.

K: Infelizmente não tenho nenhum livrinho com a letra "k" (muito triste isso!).

J: Para a letra "J" escolhi minha leitura atual. Jogando por Pizza, o livro é leve divertidíssimo e tem como plano de fundo o futebol americano e as maravilhas da Itália, em breve postarei a resenha. ^^  

L: Desde a escola eu gosto do período histórico e cultural da Renascença. Sempre fui fascinado pelas obras dos pintores Renascentistas Da Vinci, Michelangelo(é assim que se escreve?)... Enfim, quando li o famoso e polêmico O Código da Vinci fiquei bestificado com os segredos ocultos do quadros de Da Vinci. Esse livro reúne várias fotos e explicações detalhadas. Muito bom!!!


Blog's indicados:

Escrev-Arte  (C, D, H, M, S)
Encantos Paralelos (A, E, I, O, S)
Geração Leitura (C, J, Q, R, T)
Mais uma página (B, C, J, M, R)
Gota d'explosão (A, D, P, Q, T)


Um forte abraço, 
Rogério Queiroz.

15/05/2013

Olá, leitores, blogueiros, amigos!!!
Com vocês a primeira entrevista do blog.
Fiquei muito feliz, pois, a autora se prontificou em responder e rapidinho a entrevista já estava no meu e-mail, respondida.





 Bianca Carvalho, 26 anos, é escritora do romance Jardim de Escuridão, nasceu e mora no Rio de Janeiro.

Sinopse - Jardim de Escuridão - Livro 1 da Trilogia das Cartas - Bianca Carvalho
"Todo dom pode ser uma bênção ou uma maldição..." Quando Faith Connor recebe uma carta deixada por sua avó, após a morte da mesma, contendo um último pedido, ela não esperava que sua vida ganharia um rumo inesperado. Detentora de um dom especial de compreender as flores, cujos significados lhe fornecem visões de acontecimentos futuros, ela atende o pedido da avó, levando uma flor especial a seu túmulo e acaba conhecendo Rowan Allers, um homem atormentado pela morte da irmã, assassinada por um serial killer. Sentindo uma estranha conexão com aquela história, Faith o ajuda a investigar, sem nem saber que seus destinos estavam ligados de forma perigosa e até fatal.


A Entrevista





Uma dose de palavras: Qual foi a sensação de colocar o último ponto final no seu primeiro livro? E quando o livro foi publicado como você se sentiu?

R. Colocar o famoso "the end" em um livro nunca é fácil. Dizer adeus à história e aos personagens é bem doloroso, mas também gratificante. Já ter o livro nas mãos, publicado, é  a maior emoção, indescritível. Ao mesmo tempo você sente o peso da responsabilidade, pois esse material cairá nas mãos das pessoas... elas irão ler sua história, avaliá-la e se envolver com ela.

Uma dose de palavras: Quantos livros você tem publicados?

R. No momento, apenas Jardim de Escuridão.

Uma dose de palavras: O seu livro é uma estória fictícia mas sabe-se que as experiências vividas por você influenciam a escrita. Você poderia revelar algum acontecimento vivido que foi acrescentado ao livro?

R. Olha, eu nunca acrescento nada da minha vida nos livros, hehehe. Eu realmente viajo, gosto de me perder nas histórias, sem relacioná-las comigo, pessoalmente. Nem mesmo os personagens são diretamente baseados em pessoas conhecidas.

Uma dose de palavras: Quais seu autores preferidos? O seu gosto literário influenciou na sua escrita?

R. Nora Roberts, Sidney Sheldon e Cassandra Clare. Confesso que tenho um pouquinho de cada um deles em mim, quando vou escrever. Sobre meus gostos, eles influenciam completamente, pois meus livros são exatamente do gênero que gosto de ler.

Uma dose de palavras: Foi difícil o processo criativo? Em que momentos a sua produção literária era mais intensa? Qual foi/é a sua maior motivação para escrever?

R. Não diria difícil... eu costumo planejar a história inteira antes de começar a escrever, então, acabo não tendo lá muitos problemas com bloqueios. Eu costumo escrever em qualquer lugar, qualquer hora... mas à noite, pouco antes de dormir, quando estou sozinha, ouvindo música, é o meu momento. Minha motivação é a necessidade que eu tenho de colocar minhas ideias para fora, de criar pessoas diferentes, vivendo em lugares diferentes... isso vive dentro de mim, e tem horas que não dá para guardar.

Uma dose de palavras: Como foram as críticas em relação ao seu trabalho? Recebeu alguma crítica negativa, se sim, como lidou com isso?

R. Graças a Deus foram bem positivas. Não recebi nenhuma crítica desrespeitosa, mas, sim, muitos conselhos que foram aproveitados e alguns puxões de orelha. Eu gosto de críticas construtivas, afinal, é assim que um escritor pode crescer.

Uma dose de palavras: Houve aquele momento específico em que você decidiu que escreveria livros, criaria estórias?

R. Desde pequena eu escrevo, mas foi aos 14 anos que eu resolvi sentar para escrever um livro inteiro. Não foi em nenhum momento específico, foi algo que simplesmente aconteceu.

Uma dose de palavras: De uma forma geral do que tratam os seus livros? Qual o seu gênero literário?

R. Meus livros são Suspenses Românticos, e todos eles possuem um toque leve de sobrenatural.

Uma dose de palavras: Qual foi a maior dificuldade enfrentada por você como escritor(a)? Em algum momento pensou em desistir?  

R. A maior dificuldade é lutar por aquele lugar ao sol. As editoras não dão tanto valor a escritores nacionais, ainda mais iniciantes, e isso dificulta o trabalho. Desistir nunca passou pela minha cabeça. Enquanto houver pessoas lendo meus livros e comentando sobre eles, eu continuarei escrevendo.

Pergunta enviada por Anderson Felix, leitor do blog:
Como foi visitar Pernambuco divulgando o seu trabalho? Quando pretende voltar?

R. Pernambuco é bom demais. Adorei a galera do clube do livro que conheci lá. Espero voltar em breve... não sei mais viver sem Tapioca!

Uma dose de palavras: Por fim, gostaria de agradecer imensamente a disposição em responder à entrevista e quero desejar muito sucesso, muita criatividade, muitos outros livros publicados. Muito obrigado!

R. Eu que agradeço o espaço. Obrigada pelos desejos tão positivos :)


Encontre mais informações sobre o livro e a autora no SKOOB .



Um forte abraço,
Rogério Queiroz.